quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

Um pouquinho assim de paz...

De vez em quando a gente tem que colocar os fones de ouvido, botar para tocar a nossa música favorita e baixar o volume do mundo lá fora. Tem muita briga, muita violência, muito desastre, muita imprudência, muita tragédia, muita falta de paz... Às vezes a vida se torna um campo de batalha sangrento se você esquece de apertar o play. Não dá para passar a mão por cima dos problemas, não dá para esquecê-los completamente e, também, não dá para evitar não vivê-los. Em algum momento, eles irão surgir no seu caminho e tentar acabar com você, fazendo com que se sinta a pior pessoa do mundo - ou a mais incompetente, frágil, inútil, sofredora, etc. As pedras no caminho até o topo não são fáceis de transpor, elas fazem com que você se machuque, perca tempo, pare, fique fatigado... mas, quando você chega em seu destino, percebe que o caminho valeu a pena, pois a vista é mais que recompensadora. Porém, nem sempre você pode querer chegar lá, ser o centro das atenções e fazer com que as outras pessoas entendam, respeitem, aprovem e ajudem você a cumprir aquilo que programou. Antes é preciso conquistar a montanha mais alta, e você só a conquista verdadeiramente se percorre o trajeto sozinho. O respeito por aqueles que estão a sua volta faz com que você atraia para você o mesmo valor, mas isso não é fácil: exige muito diálogo, paciência e prova de que você é capaz e, mesmo assim, não há garantias, porque antes de tudo você tem que aprender a viver por sua conta, sem esperar que alguém vai estar ali para ajudar em suas quedas e entendê-lo. Você tem que entender que para conquistar o seu espaço, você não pode interferir e invadir o espaço do outro porque a liberdade concede a todos o direito de sentir. Nem sempre sentir é algo bom. Nem sempre os sentimentos permitem que você pense com clareza sobre suas atitudes, nem sempre os sentimentos fornecem a coragem necessária para você enfrentar os desafios de sua vida. Tudo é um tumulto. Os sons se misturam no mundo aqui fora. As pessoas não se escutam. Há muito sentimento pulsando desordenadamente e explodindo. Não há culpados, apenas vítimas. "A vida necessita de pausas" - Carlos Drummond de Andrade não poderia estar mais consciente sobre a condição humana, porque todos nós precisamos de um pouquinho de paz, de um pouquinho de algo doce, morno, que nos acalente a alma... E se não podemos esperar que aqueles que amamos compreendam que às vezes é preciso estar em sintonia com as cores que estão muito além de nosso limitado campo de visão, temos de saber quando é o momento de dar uma pausa no mundo e botar para tocar a nossa melhor canção, que talvez seja uma fuga inesperada... mas se deve fazer o que tem que ser feito por um pouquinho assim de paz. Um minuto ou dois de uma melodia bonita, deixar os sentimentos irem embora através de lágrimas ferventes, deixar os soluços tomarem conta e depois respirar fundo e mergulhar em um mar que é só seu, que tem a cor e a movimentação que você mais gosta. Às vezes só é preciso respirar e deixar passar a tormenta. Correr, gritar, brigar e maldizer só vai fazê-lo se tornar o reflexo de tudo aquilo que você criticou um dia, que dizia com a boca cheia de orgulho que jamais se tornaria... Não é possível matar o monstro que existe em cada um de nós, mas é possível prendê-lo e deixá-lo à míngua para que ele não tenha forças para assumir o controle da vida que é sua, da vida que deu origem a outras vidas que precisam de proteção, orientação e um pouquinho assim de paz... Tudo o que temos, vivemos e sentimos são frutos daquilo que escolhemos diariamente. Será que essas escolhas são boas para a nossa vida e para as vidas que estão a nossa volta? É preciso pensar, fazer pausas, levantar a bandeira branca e gritar paz. Se Deus existe, ele é paz. E se um soldado deserta em busca de paz, não deve recriar um campo de batalha futuramente em sua nova vida. Não se pode cometer o mesmo erro, tendo vivido e experimentado as consequências dolorosamente da primeira vez. Quando as vozes do mundo aqui fora forem altas demais, fazendo com que você não escute a si mesmo, deixando que o seu monstro interior o domine, desligue o mundo e aumente o volume da música que proporciona a melhor pausa para o seu coração...

Junie Nunes de Souza