quarta-feira, 3 de agosto de 2011

Julie, Julia & Junie...

Sempre me emociono com o filme Julie & Julia. Os atores foram muito bem escolhidos e representam os personagens reais desta belíssima história com tamanho envolvimento e sentimento que é impossível não entrar dentro de suas vidas e experimentar os altos e baixos gastronômicos temperados com amor. O que mais me encanta no filme é o casal Julia e Paul Child. Os dois, ao menos como são retratados no filme, são um encanto de casal. Apaixonados e compreensivos um com o outro. Só vendo o filme para entender, porque eu não consigo explicar mais. Simplesmente eles ativam em mim um certo tipo de esperança romântica. Eles entraram na minha lista de casais inspiradores - que, obviamente, são provenientes de livros, palcos ou cinema. 
Hoje o dia foi bastante inusitado. Levantei às 6h45min e dei de cara com um frio colossal ao colocar os pés fora de casa. Autoescola. Não sei se foi o frio (e o sono!), mas cometi todos os erros possíveis hoje. Não estava entendendo aquele carro e ele tampouco estava me ajudando. Queria que aprender a dirigir fosse mais simples para mim, mas parece que este é um desafio que terei que enfrentar sozinha. Está difícil completar a baliza e a garagem em cinco minutos - se fossem dez minutos seria o paraíso. Regras são regras para quem está aprendendo a dirigir, embora o que eu vejo não seja o que eu tenho de fazer. Às vezes eu tenho alguns momentos  instantâneos de brilhantismo ao volante, mas a maior parte do tempo eu me sinto desconfortável em meio ao trânsito caótico. Dirigir é uma necessidade, mas também é uma grande responsabilidade com a vida. É como manusear uma arma. Você sabe que se não for cauteloso, alguém pode sair ferido.
Antes das 10h já estava em casa e decidi fazer um bolo salgado. Por causa do fermento errado, minha tentativa culinária não deu muito certo. Enfim... Pela tarde dormi, quando acordei o filme Julie & Julia estava passando na TV e eu o assisti pela segunda vez. Uma página para o meu diário.