segunda-feira, 30 de maio de 2011

It's time to try defying gravity...

Ai, ai, ai... Tantas coisas acontecendo no meu pequeno mundinho! Hoje o bizarro se fez presente. Primeiro que aqui nesta cidade - que diga-se de passagem está MUDANDO - não foi possível imprimir um arquivo em A3. Lá se vai a lady J. to PoA! Aula normal. Casa. Entra aqui nesta história um personagem que caracterizarei como o homem verde.

O homem verde é um ser engraçado, irresponsável, imaturo e irritante. Não vou tornar a prova deste crime concreta, mas quando a ideia das cartas se tornar possível o mundo saberá do que estou falando. Primeiro, era para ele dedicar todo o amor a sua pequena menina verde, mas ele preferiu ser ALIENADO. Há pouco a menina verde quase congelou tamanha a frieza com que ele a tratou. Pobre menina verde: sempre esperando uma palavra de consolo, um elogio carinhoso, uma expressão de saudade... QUE NADA! Digo que a menina verde deveria desistir. O mundo se torna bem mais frio quando a gente cresce, menina verde. Believe me. Sem contar que a mulher verde já abdicou faz tempo! Você ainda tem alguma esperança? Ah, sim, você é verde...

E quando as coisas mudam... VOCÊ PERCEBE QUE ESTÁ ENVELHECENDO! Tem tantos prédios novos surgindo na cidade - há 20 anos isso não era assim. I'm about to complete two decades of life... Estranho! Muito estranho! Lembro-me ainda desta província há 15 anos atrás! Era bem melhor do que é hoje. Bater asas e voar... Acho que a menina verde gostaria disso.

Ah, tenho outra historinha para contar... Alguém está virando pedra. Só pode ser isso! Todos os sintomas indicam que a não comoção é fatal. Eliza, você está certa. SHOW ME! SHOW ME! SHOW ME! Sim, eu também estou cansada de palavras.

Por que os adultos mentem tanto para as crianças? São todos tão idiotas! IDIOTAS, IDIOTAS, IDIOTAS, IDIOTAS... Tem mais um monte de coisas que eu queria escrever! Queria escrever uns palavrões também! Vocês deveriam ser personagens de outra história já que nunca fizeram questão de fazer parte da minha.