segunda-feira, 30 de maio de 2011

It's time to try defying gravity...

Ai, ai, ai... Tantas coisas acontecendo no meu pequeno mundinho! Hoje o bizarro se fez presente. Primeiro que aqui nesta cidade - que diga-se de passagem está MUDANDO - não foi possível imprimir um arquivo em A3. Lá se vai a lady J. to PoA! Aula normal. Casa. Entra aqui nesta história um personagem que caracterizarei como o homem verde.

O homem verde é um ser engraçado, irresponsável, imaturo e irritante. Não vou tornar a prova deste crime concreta, mas quando a ideia das cartas se tornar possível o mundo saberá do que estou falando. Primeiro, era para ele dedicar todo o amor a sua pequena menina verde, mas ele preferiu ser ALIENADO. Há pouco a menina verde quase congelou tamanha a frieza com que ele a tratou. Pobre menina verde: sempre esperando uma palavra de consolo, um elogio carinhoso, uma expressão de saudade... QUE NADA! Digo que a menina verde deveria desistir. O mundo se torna bem mais frio quando a gente cresce, menina verde. Believe me. Sem contar que a mulher verde já abdicou faz tempo! Você ainda tem alguma esperança? Ah, sim, você é verde...

E quando as coisas mudam... VOCÊ PERCEBE QUE ESTÁ ENVELHECENDO! Tem tantos prédios novos surgindo na cidade - há 20 anos isso não era assim. I'm about to complete two decades of life... Estranho! Muito estranho! Lembro-me ainda desta província há 15 anos atrás! Era bem melhor do que é hoje. Bater asas e voar... Acho que a menina verde gostaria disso.

Ah, tenho outra historinha para contar... Alguém está virando pedra. Só pode ser isso! Todos os sintomas indicam que a não comoção é fatal. Eliza, você está certa. SHOW ME! SHOW ME! SHOW ME! Sim, eu também estou cansada de palavras.

Por que os adultos mentem tanto para as crianças? São todos tão idiotas! IDIOTAS, IDIOTAS, IDIOTAS, IDIOTAS... Tem mais um monte de coisas que eu queria escrever! Queria escrever uns palavrões também! Vocês deveriam ser personagens de outra história já que nunca fizeram questão de fazer parte da minha.

sexta-feira, 20 de maio de 2011

Singing for you...

Tomorrow is the big day! I am going to perform a beautiful song in English, and I am really anxious about that. I didn't know I could sing. When I started the rehearsals I have discovered a voice inside of me that was just waiting to arise. I am a little bit afraid. Singing in front of people that are waiting something from you is a kind of situation that really embarrasses me, but I have done my job. I believe I will have the strength to do my best and enjoy the unused situation. Think of me tomorrow and wish me luck whatever you are because I will be singing for you.

A grande mentira...

Pois é, eis que me encontro em uma situação bem inusitada. A menina mais desastrada, sem coordenação motora e que tem uma incrível dificuldade de distinguir o lado esquerdo do lado direito está fazendo teatro. Logo eu! Por que, Junie? Ah, vontade de fazer algo diferente. E põe diferente nisso! Vida de atriz não é fácil. Atuar é contar uma mentira que parece verdade. Pensam que é fácil? Talvez, até pode ser para  uma pessoa que vive contando mentiras, mas, para mim, isso é bem complicado. Não, eu não costumo mentir e é mais complicado ainda esconder o que eu sinto e fingir que estou sentindo outra coisa. 
Não estou reclamando, pois adoro o Drama Club (sim, é em inglês). Só estou constatando fatos about me. Aprender a expressar-me melhor foi um dos grandes motivos que me levaram a escolher esta atividade extra-curricular, mas isso não é uma tarefa tão simples. Medos, vergonha e pensamentos do tipo "o que vão pensar de mim" são fatores que atrapalham MUITO qualquer pessoa. Quando as aulas do Drama Club começaram, eu descobri que tenho muitas dificuldades que estão relacionadas a esses fatores. E uma coisa que me deixa mais angustiada é não poder conversar sobre isso. Afinal, quem está interessado nos problemas alheios? Ainda mais nos psicológicos!

terça-feira, 10 de maio de 2011

O EU OPRIMIDO...

"Já é tempo do meu coração não se comover
porque aos outros já deixei de emocionar
mas embora eu não possa ser amado
que possa pelo menos amar."

Lord Byron

domingo, 1 de maio de 2011

O que é uma mãe?

Mãe é uma figura, uma ideia, uma vida divina...
Nem todas são mães.
Mãe é aquela que está.
Mãe é quem surpreende, 
quem aparece no dia que você está triste,
quem ama acima de tudo.
Mãe é leoa, é selvagem, é feroz...
Não hesita em entrar numa briga para defender sua cria ou para ensinar.
Mãe tem coração, tem alma, tem espírito, tem fé, tem amor, tem Deus dentro de si...
Mãe é uma imagem sagrada.
Mãe é um olhar de conforto.
Mãe é o abraço em dia de desespero.
Mãe é a quebra da solidão quando o telefone toca.
Mãe é esperança.
Mãe é olhar e encontrar.
Mãe é um sorriso.
Mãe é beleza.
Mãe é imperfeita.
Mãe é mulher, mas não simplesmente a mãe...
Mãe é avó,
Mãe é professora,
Mãe é escritora,
Mãe é psicóloga,
Mãe faz história.
Mãe é almoço ao ar livre no domingo ensolarado,
Mãe é redenção.
Mãe é quem acolhe a criança com medo do escuro que grita,
Mãe nunca chega atrasada na hora da saída da escola...
Mãe é quem busca os filhos.
Mãe é quem se importa com os filhos.
Mãe é quem alimenta a alma.
Mãe é uma proteção.
Mãe é uma oração.
Mãe é uma saudade.
Mãe ensina a voar, mesmo querendo que você jamais saia do ninho.
Mãe é presença, pois do contrário não pode ser mãe.
Mãe é uma certeza, jamais incerteza.
Mãe erra, mas se esforça para consertar.
Mãe é reunião.
Mãe é doce, gentil, amiga...
Mãe é vocação.
Mãe salva.
Mãe não mata, não abandona, não escolhe o melhor para si...
Mãe sofre, fica, aguenta...
Mãe cria um mundo perfeito, mesmo que lá fora tudo esteja desmoronando.
Mas uma mãe jamais deixa sua prole sentir-se só.
Mãe é quem doa, mãe abdica.
Mãe responde, mãe jamais ignora.
Mãe é quem lê antes de dormirmos.
Mãe aquece como cobertor em dia de frio.
Mãe sacia a fome.
Mãe acalma, mãe é calma.
Mãe é uma palavra?
Mãe é uma pessoa?
Mãe é um significado?
Mãe é plural.