segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

Rick Riordan is my favorite author...

Okay. I know. I'm not a kid anymore... I'm 19. I'm supposed to be a young adult, but I do not feel like one. I dream a lot. I appreciate magical worlds, fantasy... I have a sister who is 11, and she says she doesn't like Harry Potter because his story is not real, possible, etc. She is a kid, and I still don't understand why she thinks this way. That's sad. (BUT!) I am like one of these incredible children that are able to dream and find in fantasy their perfect world. After the end of Harry Potter, I thought that I would never love another story, but then comes to my hands Percy Jackson and the Olympians, and I just fell in love for it. I get sad again with the end of the series, but when I was walking around Livraria Cultura a name called my attention in the cover of a book - a new book: Rick Riordan. He is just a great author. I don't know how to describe how good his stories are. If you have time to read a good story, read one of Riordan's book. He is my favorite author.

* Read an interesting answer that I read today below:


Any advice for young people who want to be writers?

I started writing seriously when I was in eighth grade. I had an English teacher who encouraged me to submit my work for publication.
I became a middle school English teacher largely because of the impact Mrs. Pabst had on me twenty-three years ago, and I love having the chance to encourage kids to write the way I was encouraged. That’s one of the reasons I was not anxious to leave the classroom to pursue full-time writing.
The first thing a young writer needs is a mentor who believes in his or her talent. So don’t be afraid to ask for help! Find a teacher you respect. Correspond with authors. You will find that a polite email will almost always get a response.
Secondly, read a lot! Read everything you can get your hands on. You will learn the craft of writing by immersing yourself in the voices, styles, and structures of writers who have gone before you.
Thirdly, write every day! Keep a journal. Jot down interesting stories you heard. Write descriptions of people you see. It doesn’t really matter what you write, but you must keep up practice. Writing is like a sport — you only get better if you practice. If you don’t keep at it, the writing muscles atrophy.
Finally, don’t get discouraged! Rejection is a part of writing, and it hurts. The trick is to keep at it. Wallpaper your room with rejection notes, if you want, but don’t give up.




quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

Eu entro em greve neste Natal...

Estou cansada de tentar reunir os cacos de vidros da última esperança estilhaçada...


quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

Feliz Natal!



Um ano se passou...

Após ler o blog da Bibiana Dihl, fiquei com vontade de escrever uma espécie de o que vem depois daquilo que ela escreveu. As palavras dela me fizeram lembrar de tudo o que eu senti quando a minha vida, enfim, começou a mudar... Leiam Amar e Mudar para saber mais. ;D/

     Não foi difícil, porque isso era tudo com o que eu sonhava desde o último ano do ensino fundamental. Muito antes de todas as complicações da adolescência, eu sabia que Letras era o meu curso. Não sabia se queria ser professora ou não (e confesso que tenho outros planos), mas o curso sempre foi o que quis. 
     Nunca pensei muito sobre tudo o que ficaria para trás antes de realmente deixar tudo para trás. Sempre me portei como uma menina ansiosa pelo que viria logo ali adiante e, em muitos momentos, decepcionei meus amigos por dedicar atenção demais ao mundo adulto.
     Quando saímos da escola, sim, as coisas mudam... Deixamos de ver cinco vezes por semana nossos amigos de todos os dias - aqueles que sabem o que significam cada linha de expressão em seu rosto. Cada um segue um caminho diferente - planejado ou não... Então, você literalmente cai em uma nova realidade e as pessoas que você encontra lá não são as mesmas, não são nem parecidas com os seus amigos de longa data. Você até que se enturma rápido, mas sente falta de algo. Não é a sua turma. Eles não sabem quando está triste, não sabem quando está feliz... Não sabem que você é engraçada, divertida ou extremamente depressiva em alguns momentos. Eles simplesmente não sabem... Você não pode contar com eles quando está de mau-humor, não pode ter um ataque empolgado do nada - olhares estranhos seriam lançados a você... Enfim, você começa a perceber que perdeu muita coisa e a perspectiva de uma vida nova com novas aventuras e pessoas já não parece tão promissora.
     Você sabe que tem de continuar e tentar, mas não é fácil... Afinal, você não é mais criança: destemida, curiosa e sempre disposta a fazer novos amigos. Fazer amigos novos quando você sente tanto a falta dos seus melhores amigos não é tão simples... Seu coração já não está tão aberto... Aquilo que você tinha era muito importante para você e você amava cada minuto com os seus amigos - por que não aproveitou mais? É uma pergunta constante.
     Agora é difícil marcar um encontro para reunir o seu grupo, cada um se envolveu em atividades diferentes. Você começa a pensar que talvez seus amigos já não não se importem tanto assim com você, mas, não... Não pode ser verdade. 
     Um ano se passou desde que deixei a escola. Ainda sinto muita falta... Da escola? Nem pensar! Das pessoas. Dos professores que me achavam uma das melhores alunas e das minhas melhores amigas... Dos ataques eufóricos do nada, das fofocas, dos silêncios, dos olhares confidentes, das conversas, dos passeios, dos trabalhos, da amizade mais que especial... Em cada lugar que vou, sinto falta disso tudo. Não tenho certeza se encontrarei amigos tão sinceros como os que eu já fiz e isso é muito, muito perturbador... Mas é inevitável escolher, é assim que vivemos... Fazendo escolhas, errando, acertando, amando, ganhando, perdendo...                
     As perdas são dolorosas demais quando se tratam de pessoas. Pior do que se afastar de alguém por causa de caminhos distintos, é perder um amigo por ter feito escolhas erradas...     Você se culpa o tempo inteiro e o famoso "e se..." pode assombrá-la por muito tempo... Bom, mas isso é outra história. Acabei falando mais do que pretendia e misturando algumas páginas da vida...     
     Mudanças são inevitáveis. Quando você entra na faculdade, você percebe que a adolescência nem era tão complicada assim, porque agora você é uma "jovem adulta" e não tem a menor a ideia de como isso terminará.

Dedico este post para as minhas eternas melhores amigas da vida escolar... 

Jéssica S., Morgana, Bruna A., Priscila e eu em uma visita à Unisinos em 2009...

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

You can't judge a book by its cover...

Por 1087 euros você pode ter uma book-clutch como a da Natalie Portman. As book bags do momento são da designer Olympia Le-Tan. Fiquei babando por uma, mas não são para o meu bolso... Espero que algum designer aqui do Brasil invente algo parecido e por um preço acessível, porque uma letrista com uma bolsa dessas seria o maior charme! Por enquanto, fico com a minha ecobag da Livraria Cultura... Bem, aí vão algumas fotos para que você aprecie também essa beleza cultural da moda! 

By Olympia Le-Tan

Aren't they perfect?

A noite foi da book bag da Le-Tan...


You can't judge a book by its cover...

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

A vingadora...

LEIA E JAMAIS ESQUEÇA QUE...


     Após o assassinato de uma de suas malévolas irmãs, a barata vingadora jurou se vingar, obviamente, daquela que é conhecida no mundo dos insetos repugnantes como "amiga das lagartixas". Armada de asas emissoras do som mais assombroso e preparada para causar a dor psicológica mais assustadora já empregada contra uma heroína humana, a barata vingadora arquitetou um plano com maestria para efetuar seu ataque.
     A matadora de insetos repugnantes não aniquilava uma barata desde sua última conquista no verão passado, mas, no fundo, ela sabia que, com a chegada de mais um verão, ovos estavam eclodindo por aí... Porém, no dia em que sofreu um dos maiores terrores de sua vida de heroína, não estava pensando nos insetos repugnantes - muito menos nas baratas (os piores seres do universo)!
     A barata vingadora estava na espreita. Deixou tudo parecer calmo e tranquilo... Quando JNS abriu a porta, estava com a cabeça baixa e nem viu o que a atingiu. Sentiu um barulho ensurdecedor e maligno e, instintivamente, deu um grito de desespero... Ao olhar para parede, percebeu que tinha caído em uma armadilha... Então, era ela: a barata vingadora! A mais temida de todas as baratas domésticas! Oh, poderosa lagartixa, o que fazer?
     A barata vingadora, não se dando por satisfeita, ajeitou as antenas ameaçadoramente e lançou raios de medo e repugnância contra JNS. Impedida de contra-atacar, JNS apenas correu para longe do inseto perigoso, pois carregava com ela o livro de acesso ao mundo virtual - precioso demais para ser posto em risco. Ao chegar a um lugar seguro, JNS percebeu que havia sido atingida. Seu corpo inteiro tremia e lágrimas brotavam de seus olhos... O terror estava instaurado. A barata vingadora, finalmente, havia conseguido sua vingança...
     O que ela não sabia, no entanto, é que jamais sairia viva desta história para contar às outras baratas domésticas a sua grande conquista. Em um ato corajoso, a guardiã do castelo perseguiu a barata vingadora até a sua morte, fazendo com que JNS pudesse ter uma noite tranquila de sono após fazer o juramento eterno de amizade às lagartixas comedoras de insetos repugnantes em sua luta contra o mal. Deste dia em diante, técnicas de observação e defesa contra insetos foram aliadas a um poderoso inseticida aerossol  na batalha perpétua contra aqueles pequenos monstros do terror.


* Leia também "Uma jornada épica: o caso da barata..." para entender a história de hoje.

What do you love?

O que você ama? Já pensou sobre isso? Não estou falando de pessoas, mas das criações humanas ou da natureza que você simplesmente ama e não poderia viver sem...

Então, aí vai a minha lista de coisas que eu amo!




- Eu amo musicais!
- Eu amo filmes ingleses e norte-americanos!
- Eu amo seriados ingleses e norte-americanos!
- Eu amo músicas em inglês!
- Eu amo comida italiana!
- Eu amo fotografias e fotografar!
- Eu amo livros, ler e escrever!
- Eu amo os finais felizes das histórias!
- Eu amo o litoral de Santa Catarina!
- Eu amo passear em São Paulo!
- Eu amo viajar de avião!
- Eu amo ganhar livros de presente!
- Eu amo ouvir pessoas falando em inglês!
- Eu amo inglês!
- Eu amo Harry Potter!
- Eu amo histórias de super-heróis!
- Eu amo os efeitos de Hollywood no cinema!
- Eu amo tecnologia!
- Eu amo tulipas!
- Eu amo corujas!
- Eu amo escutar os pássaros cantando de manhã ao acordar!
- Eu amo gentileza!
- Eu amo sorrisos sinceros!
- Eu amo educação!
- Eu amo cultura!
- Eu amo inteligência!
- Eu amo catar conchinhas na praia!
- Eu amo acordar e tomar café em família na casa da minha mãe!
- Eu amo passear de barco!
- Eu amo Porto Alegre!
- Eu amo a UFRGS!
- Eu amo o curso de Letras!
- Eu amo andar de ônibus com ar-condicionado e assento livre no verão!
- Eu amo aprender coisas novas!
- Eu amo roupas novas, sapatos e perfumes!
- Eu amo botas!
- Eu amo o vestuário de inverno!
- Eu amo inverno!
- Eu amo dias chuvosos após um longo período de dias quentes!
- Eu amo lagartixas porque elas comem insetos nojentos!
- Eu amo meu notebook!
- Eu amo luvas, cachecol e casacos compridinhos de inverno!
- Eu amo ir ao Shopping!
- Eu amo a Livraria Cultura do Bourbon Country!
- Eu amo ensinar o que sei!
- Eu amo blusas com estampa da Minnie!
- Eu amo camisas com estampa xadrez!
- Eu amo All Star (pena que machucam meus pés)!
- Eu amo sapatos da Melissa!
- Eu amo ir ao cinema e comer pipoca!
- Eu amo estar com a minha família!
- Eu amo estar com os meus melhores amigos!
- Eu amo conhecer gente interessante (em outras palavras: inteligente)!
- Eu amo a minha sala lilás de estudos!
- Eu amo o meu blog!
- Eu amo essas redes sociais que me fazem perder tempo, mas também descobrir coisas novas!
- Eu amo viajar!
- Eu amo sonhar!
- Eu amo amar tantas coisas que me fazem bem e feliz!

Eu amo... Ame você também!

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Web Site Story

Para quem ama musicais e tecnologia...

WEB SITE STORY - a College Humor production:
http://www.youtube.com/watch?v=FtPb8g8Jl6I

domingo, 5 de dezembro de 2010

Reforma...

Sempre fui inquieta por dentro, querendo saber como seria o final e as coisas que viriam depois de determinado momento. Fiz alguns planos durante minha vida escolar. Posso dizer que, apesar de algumas pedras no caminho, tive sucesso. Mas sabe aquela pergunta que vem sempre após o "feliz para sempre" dos contos de fada? Parece que é exatamente o que estou sentindo agora. Não que isso tenha importância. Acho que não tem, mas escrevo mais para conversar um pouco sobre isso, colocar para fora essas inquietações... Não sou uma pessoa muito extrovertida, só consigo ser eu mesma com pessoas que me passam segurança... Em outras ocasiões, assumo minha característica de observadora dos acontecimentos humanos e faço as devidas reflexões internas... Bem, mas não era isso que eu ia escrever, está tudo ficando confuso e já estou misturando tudo... As coisas demoram demais para acontecer e quando, finalmente, acontecem passam tão rápido e eu fico sempre com aquela sensação de que não aproveitei o suficiente. Eu tenho tantas coisas para fazer, mas falta aquela vontade que eu tinha antes... Eu queria saber o que aconteceu no meio do caminho... Por que não sou mais daquele jeito que era? Por que não acredito mais? É inútil fazer perguntas sem respostas, mas eu queria entender... Acho que estou precisando de afirmações ou reafirmações para vislumbrar o que está ali adiante, porque parece que nada do que tenho agora é suficiente... Passei muito tempo convivendo com uma imagem que outras pessoas faziam de mim e me acostumei com falsas verdades, mas a verdade é que agora caí em um mundo real com o qual sonhei a minha vida inteira e descubro que tenho que começar do zero, construir quem eu sou a partir do que eu por mim mesma devo ser... Não é fácil estar sozinha e ter que reformar uma obra para adequá-la a sua originalidade, mas é preciso e, agora, deve ser o que o "mundo" espera que eu faça ou... Sei lá! Isso está pior que a adolescência. Antes eu tinha um plano para a minha vida, agora tudo está tão monstruosamente gigantesco... Estou me sentindo um pontinho no meio de infinitas flechas indicando caminhos diferentes a seguir e isso não é legal. Não confio mais no que supostamente eu sabia... Será que eu já falei tudo que está poluindo a minha mente hoje? Acho que é até bom essa minha tela aqui não poder falar, ela deve estar tão confusa com tanta informação abstrata que se fosse dar algum conselho não iria falar nada com nada... Ih,  hoje devo estar parecendo meio louca... Bem, mas normal eu não sou mesmo. Estou fora dos padrões dos socialmente normais ou dos ultra descolados, enfim, acho que devo ser meio perturbada...  Ah, detesto ficar falando sobre "coisas", uma coisa não é nada, mas, ao mesmo, tempo é alguma coisa... Olha a coisa aí de novo! E, ah, hoje decidi escrever um texto sem dividir por parágrafos... De propósito... Assim o texto fica bem cansativo visualmente e menos pessoas o lerão, não que eu devesse me preocupar com isso... Se estou publicando o texto, alguém vai ler... Bom, acho que já estou mais tranquila agora e pronta para calar a boca e me aquietar... Quase 2h e eu acordada! Chega de ditos não ditos... Boa noite! É melhor eu ir antes que eu fique enchendo o meu blog com tantas palavras controversas...

sábado, 4 de dezembro de 2010

Italy

I have to go to Italy before die...

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

Sem final feliz...

   Um som estridente ecoa e a desperta. Ela abre os olhos devagar e a luminosidade causa uma irritação estranha... É como se estivesse sendo arrancada de um sonho e transportada a uma realidade bruta, indesejada... Queria voltar a dormir, mas não conseguia... Algo a estava incomodando demais, ela tinha de descobrir o motivo do seu desconforto.
   Resolveu levantar e finalizar a luta contra o nascimento de mais um dia. Já havia perdido as contas... Não sabia mais quantos dias faltavam, quantas horas ela ainda teria de suportar até o fim que parecia tão distante.
   Ao ligar o chuveiro, desejou que sua vida jamais tivesse tomado aquele rumo... Passados alguns minutos, estava confortavelmente debaixo da água quente que caia sobre o seu corpo, pensou... Mas desistiu. Preferiu esvaziar sua mente e traçar um plano para ser executado no dia de hoje.
   Ligou o rádio no volume máximo, mesmo assim, sua mente não conseguia parar de pensar naquela sensação de culpa... O que seria aquilo? Tentou pensar em outra coisa, outro problema talvez...
   O telefone toca. Um estranho a acorda de seu transe.
   - Alô?
   Mal ela sabia que seria melhor jamais ter acordado neste dia...


* Obra de ficção.