sexta-feira, 10 de setembro de 2010

Adeus ao romantismo...

Recentemente fiz 19 anos. Estou cursando Letras (para quem não sabe ainda). Talvez eu me torne professora de Português, de Inglês ou de Literatura brasileira daqui a alguns semestres... Ainda não sei. O fato é que além disso, sou uma aspirante a escritora. Só aspirante... Já ganhei um concurso estadual de redação e tal, já tive poucos dos meus escritos publicados no jornal da minha escola, na ZH e no jornal de redação do Unificado. Atualmente, publico meus textos só aqui no blog. O fato é que, por um ato insano, tentei mudar o meu estilo de escrita. Tentei me aventurar a escrever umas coisinhas melosas que julguei que talvez se assemelhassem a uma história de amor e blá, blá, blá... Porém, não é a minha área e eu não tenho o dom de escrever sobre isso. Meu estilo é mais corriqueiro, diário e urbano. Com movimentos dançantes e leve toque de humor, gosto de transformar meu dia-a-dia e minhas impressões da vida em crônicas. Quando as pessoas gostam de um texto meu, com certeza, deve ser uma crônica ou algo parecido...

Hoje, conversando com uma das minhas leitoras assíduas, fui alertada para o fato de que meu estilo romântico estava um lixo. Realmente, estava. Não posso deixar momentos de ataques cardíacos por insanidade ultra subjetiva destruírem meu palco de objetos que trazem um certo toque de humor à vida dos meus poucos, mas preciosos leitores. Ainda bem que me curei do estado febril em que me encontrava. Com olhos de águia, percebo aos poucos que a realidade não tem nada de ideal... Bem, ela é bem simples: tem aquelas coisinhas feinhas que você simplesmente ignora para não ser a totalmente careta do grupo e passar a ser só a "quietinha". Tanto faz, acho que já estou misturando as coisas... Mas estou escrevendo este post para pedir desculpas por tentar escrever um tipo de produção que não tem nada a ver comigo e para me lembrar de que eu não devo me deixar levar por devaneios juvenis, mas  seguir a linha que sempre me faz ver sorrisos reais no rosto de pessoas queridas. 

Já sou suficientemente formal para uma jovem do século XXI e, se eu caísse no abismo dos textos românticos, estaria me condenando à categoria de aberração total. Acho que devo dizer adeus ao romantismo temporariamente. Não combina com o meu espírito curioso divagar sobre sentimentos abstratos.

Boas leituras a todos durante o final de semana!