quarta-feira, 25 de agosto de 2010

Eu sou o mundo...

Almejo esconder minha felicidade e guardá-la em um mágico baú. Anseio sorrir para o dia que nasce e receber a energia infantil da vida que explode. Desejo escrever, desejo ler e assim poder viver. Um momento assim nunca eu vivi, assusto-me com a ideia de que ele possa vir a ser finito... Mas vivo a plenitude dos segundos, de cada movimento respiratório e de cada batimento cardíaco que me faz querer continuar, que me faz querer ficar e às vezes até voltar ao mundo encantado da minha literatura. Eu sou protagonista da minha história. Eu sou livre. Eu sou alguém. Alguém que eu quero ser. Estou no mundo em que eu sonhei estar e quero transformar o mundo inteiro nele, pois para mim é isso que faz sentido à medida que me transformo no melhor que eu posso ser, bem diferente da minha versão em preto e branco de quando vivia nas sombras e projeções de outrem. Agora estou viva e é tão bom respirar. É tão bom me ver em cores. Cores distintas e cheias de possibilidades. Estou descobrindo quem sou, estou testando, estou experimentando ser mais. Não uso mais algemas, não visto mais o velho uniforme, não sofro mais a cada amanhecer... Sou o mundo que eu projetei e é assim que deve ser.