sábado, 15 de maio de 2010

Hoje nossas prisões falam mais alto...

No dia 13 de maio "comemoramos" a abolição da escravatura. Mentimos para as crianças que uma boa princesa em 1888 assinou a Lei Áurea para libertar os pobres descendentes do povo africano que foram escravizados pelos homens brancos e gananciosos. No ensino médio, no entanto, as crianças descobrirão que o que a professora do ensino fundamental com muita boa vontade lhes ensinou não é a verdade absoluta. As crianças, então, adolescentes, descobrirão que o mundo dos homens grandes não é feito de ideias e ideais, mas, sim, de uma busca incessante pelo poder e dinheiro. Não se pode generalizar - muito -, mas boa parte da nossa história é verdadeiramente assim: uns lutam, muitos trabalham e os mais gananciosos levam o prêmio...

Bom era o tempo em que eu não vivi... Quando os jovens saíram em busca de liberdade! Porém, hoje, os frutos dessa geração tão revolucionária não passam de indivíduos covardes que têm medo de sair da comodidade que seus pais lhes proporcionaram. Triste realidade? Não, apenas uma consequência do passado.

Queria ter coragem. Queria buscar a liberdade como se eu fosse um daqueles jovens que entraram para a história de uma época em que muito sangue fora derramado em prol do bem mais precioso que as pessoas hoje têm, mas que - infelizmente - não sabemos utilizar: LIBERDADE.

Mas isso são sonhos. Se eu fosse miserável, não pensaria nada disso... Tentaria apenas arrumar qualquer trabalho para poder sobreviver. Se eu fosse rica, também não pensaria nada disso... Estaria mais ocupada pensando em como gastar meu dinheiro. Mas como me encontro em uma classe emergente, conservo em mim os sonhos do passado por um futuro que me transforme em heroína da minha própria história.