sábado, 13 de fevereiro de 2010

O fim de uma família...

   Uns talvez discordem da minha atitude neste texto... Mas sei de uma pessoa que concordaria plenamente comigo: a Carol Winter, futura veterinária. Fiquei sabendo hoje que uma família muito querida foi assassinada. O fato gerou profunda tristeza para todos que conheciam e amavam essa família.
      A família a que estou me referindo, não era uma família comum. A família que eu cheguei a conhecer era toda especial. A família era constituída por 5 indivíduos: uma mãe solteira e seus quatro filhos.
     Ela criava seus filhos com amor, uma dedicação interminável. Seus filhos eram tudo para ela. E eles eram lindos de tão bem cuidados! Era uma graça observar os cinco andando juntos. As crianças não saíam de perto de sua mamãe, estavam sempre sob seu olhar extremoso... Ela os ajudava a comer, os chamava para junto de si quando sentia que o perigo estava próximo e brigava por eles - afastando qualquer um que tentasse se aproximar!
     Porém, infelizmente, uma fatalidade ocorreu... Não sabemos por que o destino incitou Madalena a sair de sua casa na hora errada com os seus filhos e fez com que o monstruoso assassino se libertasse das correntes que o prendiam... Todos esses acontecimentos culminaram em tragédia: Madalena e três de seus filhos foram brutalmente assassinados pelo implacável Flecha, que não conseguiu reprimir seus instintos de caçador.
    Era o fim de uma guerreira, cujo infinito amor por seus filhos a levou - com toda certeza - a ser a primeira vítima de Flecha. Porém, como que para provar que a vida e o amor ainda podem sobreviver no meio das tristezas e fatalidades, um de seus filhos conseguiu escapar - fugindo para o terreno vizinho. Um herdeiro do amor de Madalena ainda está vivo.
   O sobrevivente ao massacre foi adotado por uma doce menina que se apiedou da situação que o pobrezinho se encontrava: tendo de morar na casa dos tios adotivos, ele era vítima de maus tratos constantes e quase não conseguia comer... Diante desse fato horrível, Luísa Nunes adotou o pequenino e está cuidando dele com muito carinho. Ele passa bem e está se recuperando dos traumas que sofreu recentemente.
  

      Essa história foi baseada em fatos reais, porém... Não sei se vocês já descobriram... Não se trata de uma família composta por pessoas. A família a que me referi era composta por uma galinha e seus quatro pintinhos. Flecha é um dos cachorros da casa da minha mãe e a Luísa Nunes é minha irmã mais nova. Ela me relatou o triste acontecimento hoje, então, resolvi escrever para refletir sobre a vida e sua brevidade... Eu sempre imaginei que a cada visita que eu fizesse à casa da minha mãe, eu veria uma Madalena toda orgulhosa com seus pintinhos que estariam cada vez maiores. Porém, isso não vai acontecer...
     Nunca mais verei a família toda reunida comendo tudo o que tem pela frente... Não vou descobrir quais dos pintinhos serão galos, quantos serão galinhas... Não vou saber a cor final que eles vão ter, não vou vê-los se tornarem independentes de sua mãe, não vou mais vê-los andar livremente pelo pátio e correr novamente para o galinheiro a cada anoitecer, pois a vida... A vida é tão breve! Sabemos que ela sempre existirá, mas também sabemos que, assim como a luz, ela também se apaga.


***

Os pintinhos.


Madalena e, possivelmente, o pintinho que sobreviveu.