terça-feira, 19 de janeiro de 2010

Sobrevivendo ao passado...



SÉRIE 2004 - número 1



A fonte da série - páginas arrancadas da minha agenda...

Sobrevivendo ao passado...

O título até parece nos remeter a algo trágico, mas não é! Tudo continua muito bem, obrigada! O fato é que eu sempre começo o ano com uma limpezinha BÁSICA do meu quarto, da minha sala de estudos, etc. Eu vou remexendo aqui e ali e acabo encontrando coisas históricas! Minhas histórias! Coisas melancólicas e ultrapassadas eu jogo fora sem dó nem piedade, mas há certas memórias que são bonitas e que valem a pena serem relembradas...

Foi nesse ínterim que encontrei uma agenda de 2004. Nas primeiras páginas havia bobagenzinhas pré-adolescentes... Mas depois de folhear outras tantas páginas, encontrei algo que eu chamo de “ensaios poéticos” - já que não posso dizer que produzo poemas.

São escritos bem simples - um pouco redundantes - da época da Junie de 12 anos de idade que escrevia sem se preocupar com a gramática e suas regras... Para iniciar a série escolhi o seguinte:

MINHAS PEQUENAS E HUMILDES PALAVRAS

Minhas palavras vêm de mim,
Lá do meu mais íntimo momento de solidão...
Mas são essas minhas pequenas e humildes palavras
Que me trazem companhia nos meus momentos de solidão,
Aqueles momentos que eu reservo só para mim e nada mais.

Mas... De repente...
Essa vontade de escrever me toma a alma
E - num instante que passa - já não me vejo mais só em meu mundo,
Eu me vejo acompanhada das minhas mais sábias e verdadeiras amigas:
As minhas palavras!

São elas que me dão forças para caminhar e seguir em frente,
É nelas que eu encontro a reflexão sobre o mundo...
Vejo nelas meus caminhos:
Os que eu devo e os que eu não devo seguir.
Sinto nelas a presença de paz, de Deus, de momentos felizes que eu tive
E dos momentos felizes que eu mesma crio com a ajuda delas...

Ah, minhas pequenas palavras!
O que seria de mim sem vocês?!
Vocês são como a luz nos meus momentos de escuridão;
Como a água nos desertos;
Como os verões nos pólos
E como a paz depois de anos de guerra.

Eu encontro a mim em minhas palavras
E imagino se o resto do mundo também é assim?

Gravataí, dia 24 de julho de 2004.

Nota da autora: é um texto bem singelo, mas que já expressava toda a minha paixão por escrever. Achei que seria interessante postá-lo aqui e compartilhar com vocês um pouquinho do meu passado. A série seguirá até o término da produção de 2004. Não se preocupem! Não serão muitas páginas!

Um grande abraço a todos!